MENU
TwitterFacebook
SEÇÕES

Posted on 13/julho/2017 in Crônicas, Slide

A política e a Lei da Gravidade

A política e a Lei da Gravidade

Não, isso não é piada, aconteceu numa cidade muito conhecida em um reino, não muito distante do centro de Sucupira.

O prefeito, para atender aos eleitores, e claro, já pensando na reeleição, decidiu construir uma nova escola em um determinado bairro. Reuniu secretários, técnicos, engenheiros e mais um bocado de puxa sacos que sempre acompanham os políticos e foi visitar o local escolhido.

Conversa vai, conversa vem, mede aqui, mede acolá e o engenheiro foi logo dizendo: “Prefeito, aqui não é possível construir a escola’.

E o prefeito: “Ara, mas por que? Eu já mandei desapropriar a área e deixei tudo por conta dos precatórios, vamos construir aqui sim e quem manda sou eu!”

E o engenheiro: ” Mas prefeito, não dá, teremos problemas com a Lei da Gravidade…”

E o prefeito, todo sabichão: “Ara, isso não é ‘pobrema’. Vou hoje mesmo fazer um projeto e mandar para a câmara de vereadores. Vamos mudar essa lei da gravidade e pronto”.

Hehehehhe!!!

468 ad

2 Comments

  1. Essa lei da gravidade é um problema sério, atrapalha muito, principalmente quem não entende seus artigos…

  2. Genial! É o que aconteceu depois também é interessante. Físicos de uma cidade próxima, alertados pelos alunos, pediram audiência com o prefeito da história contada pela Sônia a fim de explicar por que era impossível revogar a lei da gravidade. Ao chegarem à reunião, descobriram que a Câmara dos vereadores discutia, naquele momento, a revogação da lei. Correram para a Câmara e pediram a palavra para explicar o que é uma lei física e em que ela difere do ordenamento jurídico. Em vão. Já com a propina que o prefeito lhes dera depositada em paraísos fiscais, os vereadores votaram pela revogação da lei da gravidade e levaram o texto para o prefeito sancionar. Assim que ele assinou o documento, a cidadezinha e seus habitantes se desprenderam do chão e voaram pelo espaço-tempo. E foi assim que nunca mais se ouviu falar deles. Hoje, em lugar da cidade, há um vazio enorme. No meio dele, uma escola abandonada tenta convencer os descrentes de que a tragédia realmente aconteceu. Uma placa na entrada diz: “Em tempos de Sérgio Moro e Gilmar Mendes, ficam revogadas a lógica e a justiça. Tudo é possível num estado de exceção. Nenhum/a cidadã/ao tem a menor garantia de que sua honra e sua existência não serão varridas do mapa a qualquer momento. Cuidado. Quem comemora hoje pode ser a vítima de amanhã”.

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *